Make your own free website on Tripod.com

BRASIL AMBIENTAL

Brasil Ambiental
Ambiente
Agroecologia
Notícias Mais Lidas
Energias Renováveis
Água
Ar
Fauna
Meio Ambiente
Aquecimento Global e Mudanças Climáticas
Ambiente Natural
Poluição
Resíduos e Reciclagem
Ambiente e Saúde
Proteção Ambiental
Ambiente Urbano
Segurança Ambiental
Saneamento e Tratamento
Gestão Ambiental
Flora
Biotecnologia
Educação e Sensibilização Ambiental
Ecologia e Ecoturismo
Povos Indígenas

DIA MUNDIAL DO MEIO AMBIENTE - PENSAR. COMER. CONSERVAR - 5 DE JUNHO - PNUMA

PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O MEIO AMBIENTE (PNUMA)- ESPANHOL

CENTRO DE NOTÍCIAS - PUNUMA

MUDANÇAS CLIMÁTICAS - PNUMA - ESPANHOL

DESASTRES E CONFLITOS - PNUMA - ESPANHOL

GESTÃO DOS ECOSISTEMAS - PNUMA - ESPANHOL

GESTÃO DO MEIO AMBIENTE - PNUMA - ESPANHOL

SUBSTÂNCIAS NOCIVAS - PNUMA - ESPANHOL

EFICIÊNCIA DE RECURSOS - PNUMA - ESPANHOL

PUBLICAÇÕES - PNUMA

BRASIL AMBIENTAL

MONICA LIMA

PREVENÇÃO DO CÂNCER DA MAMA

PREVENÇÃO DA DOENÇA CORONÁRIA

JORGE RODRIGUES SIMÃO

EUROPEAN UNION WORLD - INTERNATIONAL OBSERVATORY OF HUMAN RIGHTS - EUROPEAN UNION CENTER OF STUDIES ROBERT SCHUMAN

ACADEMY OF PUBLIC POLICIES - NGO OMS -UNITED NATIONS - HEALTH PREVENTION

ENVIRONMENT GLOBAL WARMING - NGO - UNEP - UNITED NATIONS - INTERNALTIONAL CENTER OF ENVIRONMENTAL STUDIES AL GORE (IN CONSTRUCTION)

A recente crise financeira global e a recessão que vivem os países desenvolvidos numa economia globalizada como a nossa, constitui uma severa chamada de atenção sobre as consequências de se consumir mais do que temos. A possibilidade da recessão económica atingir todo o mundo empalidece face à iminente crise do crédito ecológico. Vivermos perto de uma floresta ou no centro de uma cidade, os nossos meios de subsistência e, não altera o fato das nossas vidas dependerem dos serviços proporcionados pelos sistemas naturais da Terra.

O planeta adverte-nos que estamos a consumir os recursos que sustentam esses serviços demasiado rápido - a uma  velocidade maior que o tempo necessário  para os  renovar. O consumo desmedido, igualmente, está a gerar uma recessão, e a forma irresponsável que assume, está a esgotar o capital natural do Planeta, ao ponto de pôr em perigo a nossa futura prosperidade, senão mesmo a existência. Somente nos últimos 35 anos, perdemos quase um terço da vida silvestre da Terra.

No entanto, a nossa procura por bens de toda a ordem continua a aumentar, resultado do implacável crescimento não só da população humana, mas também do consumo individual. A nossa pegada ecológica global excede em quase 30% a capacidade do Planeta de se regenerar. Se a nosso consumo e procura por bens continuarem a este ritmo, em meados da década de 2030 precisaremos do equivalente a dois planetas para manter o nosso estilo de vida actual. O impacto sobre o Planeta revela-se desde logo no nosso consumo dos recursos hídricos, e na nossa vulnerabilidade face à escassez de água em muitas regiões do mundo.

Estas tendências gerais têm consequências muito concretas, e em 2007, ano do começo da crise sistémica global encheram os cabeçalhos dos meios de comunicação social. Nesse ano, o preço mundial de muitos bens alimentares atingiu níveis recordes, em grande parte devido à crescente procura de biocombustíveis e de alimentos para consumo humano e animal, e em algumas regiões do planeta existe uma escassa disponibilidade de água. A história documentada do nosso planeta, revelou que em 2008, pela primeira vez, o gelo árctico ficou rodeado de águas derretidas devido ao impacto da nossa pegada de carbono.

A crise do crédito ecológico é um desafio mundial. Mais de três quartas partes da população mundial vive em países que são devedores ecológicos, ou seja, o seu consumo nacional ultrapassou a biocapacidade do seu país. Portanto, a maioria de nós mantemos os nossos estilos de vida atuais, e o nosso crescimento económico, na extração cada vez mais excessiva do capital ecológico do Planeta. A boa notícia é que temos os meios para reverter a crise do crédito ecológico. Não é demasiado tarde para evitar o aparecimento de uma recessão ecológica irreversível. Estão fixadas as áreas nas quais devemos transformar os nossos estilos de vida e as economias para situarmos numa rota mais sustentável. Está na moda ser ecologista ou ambientalista. Parece que dá um certo status social. As Organizações não governamentais (ONGs) reconhecidas pelos Estados e pela ONU são muito reduzidas. O ambientalismo não é uma corrente política de estilo de vida, ao qual se adere pela formação de uns quantos que passaram a gostar de verde, a tentar proteger animaizinhos e plantinhas, mas que não alteraram o seu estilo de vida para um compatível com o seu discurso.

Quando o homem entender que é uma espécie igual às demais e faz parte do meio ambiente e que o cuidará como sua casa, poderá declarar-se ecologicamente adaptado. Até lá, terá de estudar tudo acerca do planeta, de si e da sua interacção com o mesmo, mudando a mentalidade e o das sociedades onde vive.

A enormidade do desafio parece por vezes assustadora, pelo que se introduziu o conceito de “pilares da sustentabilidade” (forças motoras) para fazer face ao excesso ecológico em diferentes sectores. A análise dos pilares da sustentabilidade permite-nos fazer uma decomposição dos diversos factores que contribuem ao excesso de consumo de recursos e propor diferentes soluções para a sua redução. O desafio mais importante é do fazer face às Mudanças Climáticas. Torna-se necessário criar um “Modelo de Soluções Climáticas” que algumas (ONGs) têm apresentado, e que deve passar pela análise das ditas forças motoras, demonstrando a possibilidade de fazer face com sucesso ao crescimento projectado da procura de serviços energéticos mundiais em 2050, ao mesmo tempo vão-se conseguindo reduções significativas das emissões de gases de efeito de estufa em todo mundo. Tal modelo destaca a necessidade de tomar medidas imediatas para travar a ameaça da mudança climática.

À medida que actuarmos para reduzir a nossa pegada e impacto nos serviços da Terra, também devemos melhorar a forma de gerir os ecossistemas que prestam os ditos serviços. Para ter sucesso é preciso que administremos os recursos nos termos e na escala ditada pela natureza. Isto significa que as decisões de cada sector económico, como a agricultura ou a pesca, devem ser tomadas, tendo em conta as consequências ecológicas no futuro. Significa que devemos encontrar formas de gerir a situação além das fronteiras nacionais dos países, cruzando os limites da propriedade privada e das fronteiras políticas, para cuidar o ecossistema na sua totalidade. Há cerca de quatro décadas que os astronautas da nave espacial “Apollo 8” fotografaram o famoso “Amanhecer da Terra”, proporcionando a primeira panorâmica jamais contemplada do Planeta Terra.

Passaram duas gerações e o mundo passou do crédito ao deficit ecológico. A espécie humana tem antecedentes notáveis de criatividade e de capacidade para resolver os problemas. Esse espírito que transportou o homem à lua deve ser aproveitado para libertar as gerações futuras de uma dívida ecológica sufocante.

The GOOD Earth - Apollo 8 Christmas Eve Message

Copyright ©2007-2013 Environment Global Warming  (ONG).  All rights reserved.